Políticas indigenistas e movimentos indígenas no Brasil

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alina Celarie
Maxim Repetto

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Artículos
Celarie, A., & Repetto, M. (2020). Políticas indigenistas e movimentos indígenas no Brasil. Antropologías Del Sur, 7(14), 35-54. https://doi.org/10.25074/rantros.v7i14.1785
estadisticas

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Citas

Referencias

Baines, S. (2008). Identidades indígenas e ativismo político no Brasil: depois da Constituição de 1988. Série Antropologia, 418, 6-18.

Barth, F. (1976). Introducción. En Barth, F. (Ed.), Los grupos étnicos y sus fronteras. La organización social de las diferencias culturales (pp. 9-49). México D.F.: Fonde Económico de Cultura.

Celarié, A. (2016). Reflexões Sobre os Sentidos da Cidadania: desde a diversidade da América Latina aos conflitos indígenas em Roraima, Brasil. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Roraima (UFRR), Boa Vista, RR.

Carneiro da Cunha, M. (2012). Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma.

Davalos, P. (2005). Movimientos Indígenas en América Latina: el derecho a la palabra. En Davalos, P. (Ed.), Pueblos indígenas, estado y democracia (pp. 17-33). Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO).

Gellner, E. (1988). Naciones y nacionalismo. Madrid: Alianza Editorial.

Gonh, M. (2003). Movimentos Sociais na atualidade: manifestações e categorias analíticas. En Gonh, M. G. (Ed.), Movimentos sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis: Vozes.

Gonh, M. G. (2002). Teorias dos Movimentos Sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola.

Lima, A, C. (2005). Os povos indígenas na invenção do Brasil: na luta pela construção do respeito à pluralidade. En Lessa, C. (Ed.), Enciclopédia da brasilidade: auto-estima em verde amarelo (pp. 234-247). Rio de Janeiro: Casa da Palavra Produção Editorial.

Lima, A, C. (1995). Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Nascente, L. (2010). Política e construção da identidade nacional: os índios na história do brasil. Revista Litteris - Ciências Humanas – Antropologia, (6), 1-15.

Pacheco de oliveira, J. & Rocha freire, C. A. (2006). A Presença Indígena na Formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada/Alfabetização e Diversidade/LACED/Museu Nacional.

Ramos, A. (1998). Indigenism: Ethnic politics in brazil. United States of America: The University of Wisconsin Press.

Repetto, M. (2008). Movimentos indígenas e conflitos territoriais no estado de Roraima. Boa Vista: Editora da Universidade Federal de Roraima (UFRR).

Santilli, P. (2001). Pemongon Patá: Território Macuxi, rotas de conflito. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Silva, R. (2000). Escolas em movimento: trajetória de uma política indígena de educação. Cadernos de Pesquisa. no.111. São Paulo. (http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742000000300002)

Souza filho, C. (2010). O Renascer dos Povos Indígenas para o Direito. Curitiba: Juruá.

Stavenhagen, R. (2000). Conflictos étnicos y estado nacional. México: Siglo XXI.

Stavenhagen, R. (1988). Derecho indígena y derechos humanos en américa latina. México: IIDH Instituto Interamericano de Derechos Humanos- El Colegio de México.

Touraine, A. (2006). Los movimientos sociales. Revista colombiana de sociología, (27), 255-278.

Vieira, J. (2007). Missionários, Fazendeiros e Índios de Roraima: a Disputa pela Terra- 1777 a 1980. Boa Vista: Universidade Federal de Roraima (UFRR).

Resumen

No presente artigo, analisaremos as políticas indigenistas brasileiras no século XX e o surgimento dos movimentos indígenas a partir dos anos de 1970. Queremos mostrar uma visão geral desse panorama histórico, ressaltar as definições principais das políticas indigenistas e sua articulação com o indigenismo interamericano, assim como as rupturas surgidas em parte pelos questionamentos do movimento indígena e pela constituição de 1980. Veremos a passagem de políticas indigenistas tutelares e de controle desses povos, para uma crescente atuação e mobilização indígena, ancorada na defesa da terra, assim como de outras reivindicações importantes, como a melhoria do atendimento à saúde e à educação. Identificaremos, desse modo, os principais conceitos e os avanços nessa luta, que como pano de fundo questionam o exercício dos direitos e nos falam da ampliação do conceito de cidadania no contexto atual dos Estados Nacionais na América Latina.